Público e privado

Que o povo americano é hipócrita é uma afirmação conhecida por todos, certo? Agora, mesmo sabendo disso, me surpreendi com a notícia que escutei hoje.

Nicole Ann Altendorf foi presa em sua casa por ver um filme pornô com a janela da casa aberta. O problema maior foi que ela mora ao lado de um colégio e, segundo a denúncia, era possível as crianças verem e ouvirem o filme.

Ela resistiu a prisão e não deu atenção ao policial que foi até a casa prendê-la. Bom, vamos combinar uma coisa? Ela está certa em ficar puta de ser presa. A mulher estava na casa dela e tem total direito de ver um pornô com a janela aberta. Porra, quem está do lado de fora que não fique olhando. Sobre o som, tem muito filme que tem sons estranhos e não são pornô!

Ah, tenha santa paciência, viu?

Anúncios

Trilogia Suja de Havana

Há muito tempo escuto falar do autor cubano Pedro Juan Gutíerrez e sua literatura bruta. Fiquei enrolando para ler porque tinha alguns autores e títulos na frente.

Enfim, esse ano, me rendi e escolhi Trilogia Suja de Havana para iniciar a aventura. Bom, como o nome do livro já diz, ele mostra uma Havana suja, entregue à miséria, fome e desespero.

São pequenos contos que, além dos temas acima, abordam sexo. Muito sexo e daquele estilo selvagem, sem vergonha e sem escrúpulos.

Na definição do autor, “sexo não é para gente escrupulosa. Sexo é um intercâmbio de líquidos, de fluidos, de saliva, hálito e cheiros fortes, urina, sêmen, merda, suor, micróbios, bactérias. Ou não é. Se é só ternura e espiritualidade etérea, reduz-se a uma paródia estéril do que poderia ser. Nada”.

Ele é bem 8 ou 80, além de ser uma repetição a cada conto. Gosto dos relatos crus dele, mais ainda não me empolguei e estou na metade do livro. Odeio ler com a sensação de que não terá fim, mas insisto porque sou teimosa, ainda mais quando o assunto é literatura. Além do que, sou da turma do conheça antes de falar.

Até acho curioso a maneira como ele vê a vida, acho bacana mostrar ao mundo a falência do regime ditador cubano (quem sabe assim alguém faz alguma coisa?!), porém acho que a visão dele de sexo é distante das minhas experiências.

Sexo tem um pouco de sujeira, mas não pode ser só isso. Vivo de amor, de beleza e acho que essa teoria de Pedro Juan me choca um pouco.

Além disso, estou comprovando também que quando estamos de cara com a miséria, ficamos incomodados. E o livro dele faz isso: nos coloca de frente com a miséria cubana e de seu povo, que vive em condições de higiene, saúde, moradia e alimentação precárias.

Fica o convite para quem tiver curiosidade em conhecê-lo.

MST e Cutrale

Me chamem de burra, insensível, burguesa, de direita ou qualquer outra coisa, mas não consigo entender ou aceitar o MST.

Não vejo sentido na lógica e na filosofia deles. E, até que se prove o contrário, tem muita gente que possui uma enormidade de propriedades que conseguiu por mérito próprio, assim como uma empresa.

Achei ridículo o que eles fizeram com a fazenda da Cutrale, em São Paulo.

Primeiro, invadiram, depois destruíram tudo. Fizeram coisas por maldade. Para mim, se eles tinham alguma razão ao invandir, perderam ao saquear, quebrar tudo, destruir 7 mil pés de laranjas, tratores… as fotos que vi me deixaram horrorizada e só fizeram aumentar minha desaprovação do movimento.

Eu não gostei das Olimpíadas no RJ

Queria ter escrito sobre a vitória do Rio de Janeiro como cidade sede das Olimpíadas de 2016 antes. Porém, estava esperando minha raiva se acalmar.

Primeiro de tudo, sou carioca, adoro minha terra natal, acho que ela é realmente maravilhosa (mesmo com todos os problemas de segurança e sociais que lá existem), mas sou, acima de tudo, realista!

Não acho que tenho aquele sentimento derrotista de brasileiro, mas acredito que não temos maturidade e condições de sediar um evento do tamanho das Olimpíadas.

Todo mundo está achando o máximo, mas se esquecem que os cariocas terão que contruir toda a cidade de novo para receber os jogos. “Ah, mas existem as obras do Pan”. Não! Todas terão que ser reformadas para receber um público maior.

Fora que, já é sabido por todos que, no Brasil, tudo custa 3X mais do que realmente deveria custar. Além disso, que herança essas olimpíadas vão deixar?

Construções de complexos esportivos? Grande coisa. Soube ontem que, no Rio de Janeiro, uma enorme parcela das escolas públicas não possuem aulas de educação física.

Para mim, Madri merecia bem mais. Eles estão se preparando para receber os jogos há anos. E nós? O que fizemos? Caras de coitados e um discurso que colocava a América do Sul como os primos pobres esquecidos pelo mundo…

Que vergonha, COI!

Aula de tênis ou francês?

Incrível: depois que terminei a minha pós, parece que tenho menos tempo para fazer algo fora do meu horário de trabalho.

Tenho mais tempo, menos disposição e não faço nada. Não estou lendo mais, não estou vendo minhas séries, indo mais ao cinema… NADA! Incrível como a gente consegue usar nosso tempo indevidamente e nos jogarmos no ócio com uma facilidade incrível. Quanto menos coisa tenho para fazer, parece que o tempo diminui junto!

Acordei querendo transformar minha vida em algo mais produtivo. Porém, eis a dúvida: fazer aula de francês e aprender uma língua que tanto me fascina ou tentar me tornar um pouco menos descordenada, passar um tempo com o namorado e acertar umas bolinhas de tênis.

Além da dúvida, tem toda uma questão financeira… Não gostaria de ser rica, somente ter dinheiro o suficiente para que a falta dele não me impedisse de fazer algo.

Ó, vida injusta e difícil!