Restaurant Week SP

Começa essa semana um dos eventos gastronômicos mais legais, o Restaurant Week. Funciona assim: vários restaurantes bacanas montam um cardápio especial para o evento, com entrada, prato principal e sobremesa a um preço fixo (R$ 29,00 no almoço e R$ 39,00 no jantar) + R$ 1,00, que será doado para o Ação Criança.

Além de ajudar, você ainda tem a oportunidade de conhecer lugares bem interessantes por um preço super justo. Toda edição eu aproveito indo a pelo menos dois restaurantes.

Nesta edição, estou completamente em dúvida. Sempre tento ir em lugares que não conheço, mas confesso que estou tentada a repetir. Dois que estão na minha lista:

– Beef and Chips, que tem a frente das panelas a chef Ana Zambelli me chamou a atenção pelas boas críticas que encontrei e também por ter Bife Ancho A Forestier, acompanhado de Risoto de Nozes e Gorgonzola no cardápio do almoço, além de uma sopa de brigadeiro, crocante e morango que parece apetitosa.

– O primeiro Restaurante Week a gente nunca esquece e o Gardênia foi a minha primeira escolha. Fui no de Pinheiros e quero conhecer a filial da Gabriel Monteiro da Silva. O Gardênia tem o cordeiro como um dos seus principais ingredientes. As opções são completamente sensacionais e a apresentação dos pratos e da casa são sensacionais.

Por enquanto, esses são dois eleitos. Mas eu tenho uma série de outras opções. Quem estiver na capital paulista, dá uma olhada no site e escolha uma das opções para saborear até 12 de setembro: http://www.restaurantweek.com.br

Gardênia da Gabriel

A foto acima é do Gardênia da Gabriel. O de Pinheiros é mais intimista e aconchegante.

Polenta com gorgonzola e shimeji

Lá venho eu com o shimeji de novo. O que posso fazer se não resisto a ele e compro toda semana? Mas deve ser uma fase que logo eu supero, gente.

Mas essa receita merece ser dividida. Eu encontrei a original no blog Batuque na Cozinha. Só que, quando estava cozinhando, resolvi acrescentar um quadrado de gorgonzola que estava dando sopa na geladeira.

Anote aí:

Ingredientes da polenta:
1 litro de água (se quiser, pode usar caldo de legumes)
200g de farinha de milho média (ela é mais granuladinha)
sal a gosto
+ ou – 100g de gorgonzola picado

Ingredientes para o molho:
1 colher de sopa de azeite (eu troquei por manteiga)
2 xícaras de cogumelo shimeji
4 colheres de sopa de shoyu
4 colheres de sopa de saquê

2 colheres de sopa de cebolinha verde cortada para colocar no prato e decorar.

Antes de fazer a polenta, faça o shimeji. Lave-o e leve ao fogo com a manteiga ou azeite. Quando ele começar a soltar água, acrescente o shoyu e o saquê. Reserve.

Para fazer a polenta, dissolva a farinha de milho na água e leve ao fogo. Tempere ao seu gosto. Quando estiver quase pronto, acrescente o gorgonzola e misture bem.

Pegue um prato fundo, coloque a polenta, o shimeji, decore com a cebolinha e sirva com queijo ralado em cima.

Salivei só de escrever!
A receita serve bem umas três pessoas com apetite de gente fina. Aqui em casa deu para dois e olhe lá!

Coisas fofas para cozinha

Ainda na série “ganhei de aniversário”, sabe aqueles acessórios fofos de cozinha? Pois bem, ganhei dois bem bonitinhos da Pylones na semana passada.

Pylones é uma loja de produtos divertidos para casa, criada em Paris, na década de 80. Eles têm chaveiros, raladores, torradeiras… tudo bem colorido e cheio de humor.

Eu ganhei um batedor (também conhecido como fouet) e um descascador que são dois chefs de cozinha. Nada mais propício para a minha atual fase.

Eles tem um quiosque no Shopping Iguatemi, em SP. Mas dá para comprar alguns produtos pelo site também: http://www.lojapylonesbrasil.com.br

O preço é bem salgado, mas as coisas são uma graça. Meu próximo item na lista de eu quero é uma caneca com asas!

Cozinha americana com estilo

Acho que resolvi direcionar o meu blog no mês certo. Deu tempo dos amigos saberem e, de aniversário, ganhei um monte de coisa bem bacana ligada a cozinha. É lógico que os livros foram os itens mais presenteados. Tenho receitas novas para testar por uns três anos e adorei isso.

Um dos livros que eu ganhei foi “O Livro de Receitas das Garotas – Pratos Deliciosos para Meninas Maravilhosas”. Só o título já deixa a gente alegre e ele é cheio de dicas bacanas, fofurinhas e frusfrus.

No último domingo, resolvi usar duas receitas dele e fazer um prato bem americano. Hambúrguer e batatas. Foi super aprovado. Quem quiser testar a receita, segue abaixo.

Hambúrguer

675 g de carne moída magra
1 cebola pequena picada
4 colheres de sopa de salsinha

Para o recheio:
75g de cream cheese
1 dente de alho amassado
2 colheres de cebolinha picada

Modo de fazer: Misture a carne, a cebola e salsa. Divida em 8 porções iguais e molde-as com as mãos mesmo. Em uma tigela a parte, misture os ingredientes do recheio. Coloque o recheio em cima de 4 hambúrgueres e cubra com os 4 restantes. Grelhe por uns 10 minutinhos de cada lado.

Barquinhas de batata com bacon

4 batatas
óleo para pincelar
8 tiras de bacon defumado cortado em cubos
páprica (eu não achei e usei pimenta do reino)
50g de queijo cheddar
50 g de mussarela
6 cebolinhas picadas

Para fazer é fácil: fure as batatas com o garfo e leve ao forno pincelando óleo (eu usei azeite). Elas devem cozinhar por 1 hora com a temperatura do forno a 200ºC. Deixe esfriar e corte as batatas ao meio. Retire o interior e corte essas metades em 2, formando uma barquinha. Polvilhe com páprica (ou pimenta, no meu caso) e espalhe o bacon, os queijos ralados e as cebolinhas picadas. Leve novamente ao forno para dourar.

Ao servir, acrescente um molho feito com 150 ml de coalhada fresca e 4 colheres de cebolinha picadinha!

O interior da batata que não usei na receita, misturei com uma colher de manteiga, o que sobrou do cheddar que comprei e fiz uma espécie de um purê nada magro.

Bruschetta com o que tem em casa

Adoro receitas italianas. Adoro receitas de petiscos. Tem dias em que acordo com vontade de comer só entradas. E bruschettas é uma das prediletas.

Voltei para casa um dia desses com uma vontade doida de comer bruschetta, mas não tinha pão italiano em casa e não queria comprar para não me render à tentação e comer pão a semana inteira e engordar mais ainda. O jeito foi improvisar com pão de forma integral mesmo.

Tinha shimeji em casa (eu não digo que sempre tem?!) e cream cheese também. Pronto. Era o que eu precisava.

Faço da seguinte maneira: lavo o shimeji e levo ao fogo em uma frigideira com uma colher generosa de manteiga ou margarina. Deixo ele cozinhar bem e acrescento shoyu. Enquanto isso, pego 4 fatias de pão, passo um pouco de manteiga e margarina, um fio de azeite e forno (entre 200, 220º). Nem 10 minutinhos de forno.

Depois, com o shimeji pronto, passo cream cheese no pão (ou Polenguinho, se você preferir), jogo o shimeji em cima, salpico com queijo ralado e forno novamente, até dar uma derritidinha no queijo. Não pode deixar muito tempo para o shimeji não correr o risco de ficar ressecado. Sou suspeita para falar, mas fica bom, viu?!

Cupcake de aniversário

Eu sempre achei cupcakes uma graça. Acho fofo o formato, as forminhas, enfim, tudo. Há cerca de um mês, resolvi comprar coisinhas para fazê-los.

Achei um site que me deixou doida chamado Barra Doce. Várias coisas lindas, forminhas decoradas, confeites em formatos bonitinhos etc.

A primeira receita saiu uma verdadeira desgraça. A massa grudou muito no papel da forminha e era impossível comer sem ter que cuspir aquele pedacinho de papel que escapou.

Procurei outras receitas, achei uma bem legal e, ontem, resolvi que iria assar sem a forma de papel mesmo para não errar. A massa ficou bem saborosa, apesar de eu ficar frustrada com o tamanho.

Consegui fazer uma bela fornada para trazer para os coleguinhas do escritório no dia do meu aniversário!

A receita é a seguinte:

1 1/2 xícara de açúcar
300g de manteiga amolecida
3 ovos
2 xícaras de farinha de trigo
1 xícara de leite
10 gotas de extrato de baunilha (usei de amêndoa)
1 colher de sobremesa de fermento em pó
1 colher de café de bicarbonato de sódio

* Eu coloquei dois punhados generosos de nozes também.

Bata tudo isso numa batedeira até ficar bem homogêneo. Espalhe por forminhas untadas e leve ao ao forno pré-aquecido a uns 180º.

Para a cobertura, fiz um brigadeiro mole e espalhei por cima dos bolinhos.

Parabéns para mim!

Misto-quente fresco

Eu tenho paixão pelo trio pão, queijo e presunto. Adoro qualquer receita que tenha os três juntos. Achei uma no livro da Nigella (essa mulher me fez gostar mais ainda da cozinha) e que é uma opção mega bacana para um brunch.

Ingredientes
8 fatias de pão integral
75 gramas de mostarda dijon
140 gramas ou 8 fatias de queijo gruyère (eu não achei desse e usei o Gouda)
90 gramas ou 4 fatias de presunto
6 ovos
pitada de sal
80 ml de leite
5 colheres de sopa de queijo gruyère, emmental ou cheddar ralado (eu usei o cheddar em fatia)

Modo de preparo

1. Passe a mostarda em cada pedaço de pão. Faça sanduíches com uma fatia de queijo, outra de presunto e uma terceira de queijo. Corte cada sanduíche na diagonal para obter triângulos.
2. Acomode os sanduíches numa vasilha que possa ir ao forno (cerca de 27X21X6 cm)
3. Bata os ovos, o sal e o leite e despeje sobre os sanduíches.
4. Cubra com um filme plástico e deixe na geladeira da noite para o dia.
5. Na manhã seguinte, pré-aqueça o forno a 200 C. Tire a vasilha da geladeira e remova o filme plástico,
6. Polvilhe com o queijo ralado. Asse por 25 minutos ou até ficar bem dourado na parte de cima.

Os pedaços de sanduíche ficam super bonitos, o gosto é sensacional. Porém, não recomendo para quem não gosta de ovo, não recomendo. Talvez, o gosto do meu tenha ficado mais forte porque deixei um dia inteiro na geladeira. Deixar menos tempos pode ajudar também.

O duro dessa receita é você preparar o sanduíche antes e deixar marinando… você sempre sente vontade dele quando você não tem todos os ingredientes em casa.

Pesto

Sabe aquele dia em que você quer comer algo com sabor mas está com uma preguiça do tamanho do mundo de ficar muito tempo na cozinha? Você não tem vontade de comer sanduíche, não quer pedir comida, mas não tem idéia do que fazer.

Tive um desses dias há alguns domingos. Peguei meus livrinhos de receitas em busca de uma respostas e me deparei com ela no Compacto de Culinária – Massas, da Editora Paisagem. Macarrão ao Pesto era minha solução. Dei um pulo na quitanda do lado de casa e comprei manjericão fresco e lá fui eu.

É muito fácil fazer pesto. Meio maço de manjericão, dois dentes de alho esmagados, umas três colheres de azeite, um punhadinho de castanha triturada, tudo isso dentro de um processador e está pronto. Aí, é só cozinhar um macarrão e misturar com essa pasta. O sabor fica ótimo, a cozinha fica toda perfumada e você ainda faz bonito.

Para o seu dia de preguiça ficar mais elaborado, abra um vinho e jogue um pouco de parmesão em cima do macarrão. Dá para usar o pesto para outras várias receitas, como bruschetta e risoto.

Dica legal

Muita gente reclama hoje em dia que nem sempre as frutas tem sabor como antigamente. Alguns, afirmam que é devido a quantidade de agrotóxicos presentes nelas.

Bom, não sou defensora confessa, mas eu curto um produto orgânico de vez em quando. Algumas frutas realmente vem com um gostinho diferente e mais original que compensa o preço alto dos produtos orgânicos.

Recebi uma indicação esse dia que vale à pena para quem mora em São Paulo. É o site Organic Delivery.

Ele tem uma série de produtos que você pode comprar e mandar entregar em casa sem sair do seu conforto. A pessoa que comprou disse que vale à pena e que o preço nem é tão absurdo assim.

Para quem gosta, vale o investimento. Vou ver se experimento. 😉

Bienal do Livro de SP

Além de cozinhar, outro passatempo que adoro são os livros. Tem coisa mais gostosa do que sentir o cheiro de um livro novo, viajar por vários mundos, conhecer lugares? Sou completamente a favor da literatura!

Essa semana, no dia 12, tem início a Bienal do Livro de São Paulo. Todas as principais editoras presentes no País estão por lá. Lançamentos, preços bacanas, promoções, tardes de autógrafos… a programação é uma delícia.

Esse ano, eles também estão entrando na onda da valorização mundial da gastronomia e lançaram um espaço cultural voltado para o tema. Eles irão receber chefs de cozinha, profissionais do setor, críticos gastronômicos e pessoas que gostam do assunto para conversar com os visitantes.

Me interessei por algumas mesas e espero conseguir acompanhar algumas.

Quem tiver interesse, é só acessar o link.