O primeiro risoto a gente não esquece

O primeiro risoto a gente nunca esquece. O meu foi de queijo com azeitona verde. E esses dias o Fernando me pediu para aprender a cozinhar e escolheu o risoto para começar suas aulas.

Já ensinei aqui, mas não custa repetir uma receita básica (essa serve bem 3 pessoas):
– 1,5 copo de arroz arbóreo;
– 2 dentes de óleo;
– 1,5 l de caldo de legumes salgado e bem quente (você pode fazer o seu ou usar um tablete dissolvido na água fervendo);
– 200 ml de vinho branco;
– azeite.

Primeiro passo: refogar o alho com o arroz no azeite. Quando o arroz começar a ficar bem brilhante e um pouco transparente nas pontas, jogar o vinho e esperar ele evaporar. Depois, colocar o caldo de legumes aos poucos, até chegar no ponto. Você deve acrescentar uma concha por vez, sempre quando estiver secando o líquido. O risoto, ao contrário do arroz normal, não deve ficar molinho. Ele não chega a ficar duro, mas fica mais firme.

Dependendo do sabor, você escolhe a hora de colocar o restante dos ingredientes. Quando é algo mais suave, coloco no meio do processo para o sabor pegar mais. Se é algo mais forte, coloco no final. Se tiver queijo, adiciono um pouco de manteiga para não grudar tanto.

Para a estreia do Fernando com as panelas, escolhemos risoto de aspargos com camarão. Antes de começar o risoto, cortamos 5 aspargos grandes em 3 partes e refogamos em azeite. Em paralelo, refoguei com alho e azeite 450g de camarão rosa, no qual acrescentei um pouco de coentro também.

Deixei separado e juntei os dois em momentos diferentes: como deixei os aspargos al dente, coloquei um pouco depois da metade do cozimento do risoto, para que ele amolecesse um pouco. Já o camarão, acrescentei depois da última concha de caldo de legumes, para que ele não cozinhasse muito e perdesse a forma.

Esse risoto ainda teve assinatura dividida pelo casal. Mas ele já fez um outro sozinho, comigo somente ditando os passos. E logo estará comandando o fogão sem ajuda. O duro é que eu vou ter que lavar a louça.

20130121-100204.jpg

Calda de frutas vermelhas

Não sei se é coisa de grávida, mas ando viciada em sorvete! Sempre gostei, mas agora estou num relacionamento sério com esse doce. Se puder, eu tomo sorvete todos os dias.

Outro dia, fui mimada por uma amiga querida que me serviu sorvete em sua casa e ainda deu um toque especial: calda de frutas vermelhas. Resolvi refazer em casa e é realmente uma receita fácil e gostosa.

Os ingredientes: 100g de blueberry, 100g de amora, 100g de morango cristalizado, 3 colheres de açúcar e 1/2 limão.

Coloque tudo na panela e esprema o limão. Mexa em fogo médio até que comece a formar uma espuma em cima. Ainda raspei um pouco de uma fava de baunilha para dar um sabor a mais.

Depois, é só servir com o sorvete. Rende 5 porções. Pode colocar em cima de um pedaço de bolo também, mas ainda não experimentei. Fora que o visual fica lindo.

20130112-211513.jpg

Acompanhamento para toda hora

Não se deixe levar pela foto, pois não vou dar uma receita de Natal. As batatas sobre as quais irei falar são um prato que pode ser comido a qualquer hora e com diversas opções.

Eu acho que batatas são o mais perfeito dos acompanhamentos. Elas combinam com peixe, carne vermelha, porco e com molhos. Além de ficarem bem gostosas se são um prato único.

Essa receita é bem versátil e simples. Pegue um saco de batata bolinha, lave bem e deixe escorrer. Numa travessa com tampa ou numa panela de ferro, derrame um quantidade generosa de azeite e coloque as batatas cortadas ao meio. Salpique sal grosso e coloque também uns ramos de alecrim, além de regar com mais azeite e pimenta do reino. Tampe e leve ao forno (temperatura em torno de 220 graus) por cerca de 40 minutos. A batata tem que ficar dourada embaixo e bem macia.

Na foto, usei como acompanhamento de um tender com pêssego e geléia de cranberry.

20130106-175218.jpg

Torta ganache de banana

Desde que engravidei, tenho me dedicado menos a cozinha. Agora, na reta final, pouco tenho ido até a minha parte predileta da casa porque ficar muito tempo em pé me deixa com os pés gigantescos.

Porém, esse final de ano me deixou inspirada e não aceitava o fato de que ia ficar somente com a tarefa de fazer um arroz e uma salada para o jantar de ano novo! Tinha um doce que estava povoando minha cabeça há algum tempo por conta de uma foto linda que saiu na revista Casa e Comida e resolvi testar. Fui correndo ao mercado em pleno dia 30 para conseguir fazer a tempo a torta ganache de banana que é uma das vedetes do cardápio de sobremesa do restaurante Trio, em São Paulo.

Vamos aos ingredientes:
400 g de biscoito de maisena moída;
150 g de manteiga derretida;
350 g de chocolate meio amargo;
250 ml de creme de leite fresco;
1/2 lata de doce de leite;
12 bananas;
2 colheres (sopa) de açúcar;
200 g de lascas de chocolate ao leite e chocolate branco, para decorar.

Faça primeiro a massa: triture o biscoito de maisena e junto com a manteiga (a receita original fala para usar 120g de manteiga, mas achei que a massa não ficou firme o suficiente). Espalhe essa misture em uma forma de fundo removível, cobrindo o fundo e as laterais. Ferva 50 ml do creme de leite (se não achar do fresco, nessa parte, use 3 colheres fartas do creme de leite normal, sem o soro) ao chocolate meio amargo. Mexa até derreter o chocolate e formar uma mistura homogênea. Eu levei ao microondas por uns 10 segundos a mais para ajudar a esquentar o chocolate.

Coloque a forma na geladeira e, umas 12 horas depois, parta para outra etapa, que é passar o doce de leite em cima do ganache. Depois disso, distribua as bananas picadas em rodelas finas pela torta. Eu usei somente 8 bananas prata porque achei que já estava bom. Mas se você quiser usar as 12, fique à vontade.

Se você achou o creme de leite fresco, bata os 200ml restantes com o açúcar até ficar no ponto de chantilly. Do contrário, use uma caixinha de 200 ml de creme de leite para chantilly para fazer a cobertura que vai em cima da banana (nesse caso, eu não usei o açúcar). E, por último, faça lascas os ou rale o chocolate ao leite e o branco para decorar sua torta. Depois, só levar à geladeira e esperar a hora de servir.

Esse prato fica imenso e serve bem umas 12 pessoas. E, por incrível que pareça, não ficou tão doce.

Feliz ano novo a todos!

20130101-112534.jpg

20130101-112546.jpg