Chili

Eu tenho algumas fases para comida. De tempos em tempos, costumo encrespar com uma receita, um ingrediente… e dessa vez, estou viciada em chili. Só que estava somente comendo em restaurantes. Todas as receitas que tinha visto, pareciam ter muitos processos e estava com uma certa preguiça.

Aí, num belo dia, acordei atacada e resolvi que iria tentar. Misturei a receita de um amigo com algumas que achei na internet e dei um toque pessoal. Eis aqui o resultado.


 
500 g de carne da sua preferência (usei coxão mole)

500 g de feijão cozido (carioquinha)
1/2 cebola grande ou uma média inteira picada
4 dentes de alho
1/2 pimentão vermelho beeeeeeeeeem picado (eu troquei o pimentão natural por duas colheres de um pó de pimentão doce que tinha aqui para provar)
1 lata de tomate pelado
1 lata de 130g de extrato de tomate
150 g de cheddar processado
pimenta branca moída a gosto
pimenta-do-reino preta moída a gosto
duas colheres de molho de pimenta
coentro picado a gosto
Primeiro, refogue a cebola, o pimentão e o alho. Aí, coloque a carne e deixe ela cozinhando até perder todo o tom rosado. Tempere com o sal e as pimentas moídas (deixe o molho para colocar no final para você checar se precisa ou não ficar mais picante para o seu gosto) e misture. Acrescente o extrato de tomate e o tomate pelado, misture bem, amassando os tomates que estão inteiros. Deixe cozinhar até engrossas e acrescente o feijão. Quando começar a ferver, coloque o cheddar e mexa até que ele derreta. Aí, complete com o molho de tomate e coentro de acordo com o seu gosto.
Servi com nachos e também fiz guacamole para completar o cardápio mexicano da noite.
Anúncios

Picadinho da Rita Lobo

Depois de falhar com um manjar e uma receita de cubinhos de tapioca da Rita Lobo, acho que finalmente nos entendemos. As últimas tentativas tem dado bem certo e fiquei muito feliz com o picadinho de file mignon dela. Não é das receitas mais práticas da vida, mas o resultado é bom demais. Além do que, essa é uma ótima opção para servir num almoço para convidados. E não venha me dizer que picadinho é um prato simples! Servir 1 kg de filet mignon hoje em dia é quase uma declaração de amor, afinal, seu preço não está nada em conta.

Os ingredientes:

  • 1 kg de filet mignon em cubos
  • 2 cebolas em cubos
  • 3 dentes de alho espremidos
  • 4 colheres de sopa de farinha de trigo
  • 70 g de bacon em cubinhos
  • 1/4 de xícara de extrato de tomate
  • 2 colheres de sopa de molho inglês
  • caldo de 1 limão tahiti
  • Azeite suficiente para refogar a carne
  • 1/4 de xícara de salsinha
  • 3 xícaras de água quente
  • sal e pimenta-do-reino a gosto

Coloque os cubos de carne em uma tigela e misture com a farinha de trigo. Separe em três porções. Numa panela grande e quente, jogue parte do azeite e doure 1/3 da carne e tempere com o sal e pimenta. Quando estiver dourado, tire, coloque mais um pouco de azeite e doure a segunda porcão de carne. Repita o processo mais uma vez. Não se assuste com a crosta que ficar no fundo da panela. Assim que você terminar de fritar a última parte dos cubos de carne, desligue o forno, jogue o suco de um limão tahiti, uma xícara de água quente e, com a ajuda de uma colher de pau, vá raspando o fundo da panela. Ligue o fogo novamente para essa mistura ferver por cerca de 1 minuto e ajudar a retirar o fundinho grudado. Pegue esse caldo e despeje na tigela onde você reservou os cubos de carne fritos, passando por uma peneira. Sem lavar a panela, despeje mais um pouco de azeite e jogue o bacon. Quando ele começar a dourar, acrescente a cebola, refogando até ela murchar. Em seguida, coloque o alho e deixe ele até começar a dourar.

O próximo passo é colocar o extrato de tomate e misturar bem. Despeje a carne e seu molho de volta na panela, regue com o restante da água que você ferveu e misture o molho inglês. Quando essa mistura começar a ferver, baixe o fogo e deixe assim por uns 10 minutinhos. Quando for servir, acrescente a salsinha picada.

Eu servi o prato com couve manteiga picada, arroz branco e uma farofinha de ovo.

No dia seguinte, o caldo fica mais grosso e achei que o sabor fica até mais intenso.

Lombinho do Vinicius de Moraes

Ganhei um livro dos meus compadres ano passado (falo dele melhor em outro post) que mistura lembranças de lugares que Vinicius de Moraes visitou e suas comidas. Para estrear, escolhi uma receita de lombo de porco que ficou super saborosa. Além de ser um prato que adoro, o lombo também é super mineiro. E como iria cozinhar para receber uma mineira bem querida (que me deu o livro), achei que seria uma combinação perfeita.

Os ingredientes são:

  • 1 lombinho de porco com cerca de 1 kg e com a capa de gordura
  • 1 colher de sopa de mel
  • 1 colher de sopa de mostarda amarela
  • 1 cebola grande bem picadinha
  • 3 dentes de alho picados
  • 1/2 copo de vinagre de maçã
  • 1/4 de copo de azeite de oliva
  • 1 pitada de pimenta-do-reino branca em pó
  • 1 colher de sobremesa de sal
  • 4 ramos de salsinha picada

Essa receita precisa começar a ser preparada um dia antes de servir. A primeira parte é o Vinha-D’Alhos, que é uma marinada tipicamente portuguesa. Para isso, você vai levar ao liquidificador a cebola, o alho, o vinagre, o azeite, a salsinha, a pimenta-do-reino e o sal. Bata tudo até virar um creme. Coloque o lombinho dentro de um saco plástico e despeje a Vinha-D’Alhos dentro dele. Amarre bem e deixe esse saco na geladeira durante a noite para marinar.

No dia seguinte, retire a carne do saco plástico, esfregue o mel a mostarda sobre ela e leve ao forno preaquecido em temperatura média. Eu fui um pouco contra a receita e espalhei um pouco da marinada na forma (o cheiro era bom demais para mandar tudo embora, poxa). A carne fica no forno por cerca de 45 minutos ou até que esteja bem tostado por fora.

Para servir, você pode fazer um refogado de folha manteiga e colocar o lombo em cima.

  

Air Fryer, eu te amo!

Desde o final do ano passado desenvolvi uma relação de puro amor com um brinquedinho que o Papai Noel me trouxe: uma Air Fryer. Acho o máximo fazer algo com gosto de fritura, mas sem o cheiro e o resíduo de óleo. 

Apesar da empolgação e do uso constante, só agora estou me arriscando mais nas receitas. Por isso, talvez vocês vejam mais receitas como essa, um filé de frango agridoce.

Usei dois peitos de frango que renderam uns 7 filés médios. Coloquei eles para marinarem por uma hora em duas colheres (sopa) de molho inglês, uma de mel, sal a gosto e duas colheres (chá) de gengibre em pó. 

Depois, coloquei os filés (2 a 3 por vez, dependendo do tamanho) na fritadeira e deixei por 15 minutos a 180 graus. Servi junto com um macarrão ao molho de espinafre, mas ele pode acompanhar uma salada ou legumes cozidos também, se você quiser ser mais magro.

Os filés ficaram no ponto certo e eu não precisei ficar de olho na frigideira, virando o frango toda hora. Mais prático impossível!

  

Carne cremosa com camembert 

Adoro receitas rápidas e que têm uma textura mais cremosa. Para mim, elas dão o aconchego perfeito para um dia preguiçoso. Essa daqui eu tirei de uma receita que eu vi em algum lugar que não me lembro e recriei com outros ingredientes. 

  • 500g de patinho moído 
  • 1/2 cebola pequena
  • 3 dentes de alho picados 
  • 120g de camembert 
  • 2 colheres de mostarda da sua preferência
  • 1 lata de creme de leite
  • 1 colher de amido de milho
  • 1/2 copo de azeitona verde

Para começar, refogue o alho e cebola no azeite. Jogue a carne e vá mexendo para ela ficar em pedacinhos bem pequenos.  Tempere com sal a gosto. Quando ela estiver cozida, acrescente o queijo aos poucos, misturando bem. Assim que ele derreter, coloque o creme de leite, a azeitona e a mostarda. Depois, o amido de milho. Mexa bem até esse creme dar uma engrossada. Então, transfira para uma assadeira pequena. Cubra com queijo parmesão ralado, orégano e leve ao forno para gratinar.

Ele vai muito bem com uma salada e arroz. Você pode servir com batata palha também. 

  

Carne versátil moída

Vamos falar a verdade: não existe ingrediente tão versátil quanto a carne moída. Ela pode virar uma comida rotineira ou algo mais sofisticado, agradando gregos e troianos (menos os vegetarianos) facilmente.

Eu adoro carne moída com pão, não dispenso um molho a bolonhesa e gosto demais de bolo de carne. Sempre fui fã da danada. E essa receita junta carne moída com outra coisa muito bacana: queijo! Que dupla boa. Além de tudo, a execução beira o ridículo.

A carne moída de forno foi uma das vencedora do concurso Receitas de Família da Casa & Comida. E a dona da receita diz que ela fazia muito esse prato quando casou e não se dava bem com as panelas.

Aos ingredientes:

500g de carne moída (usei alcatra)
1 colher (café) de alho amassado
1 cebola picada
1/2 pimentão amarelo picado
2 tomates picados
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher (sopa) de azeite e um pouco mais para untar a forma
1 pote de requeijão cremoso
Mussarela em fatias
Queijo parmesão ralado suficiente para cobrir a forma
Azeitonas para cobrir
Tomates cereja para decorar
Orégano e sal a gosto

Tempere a carne com sal, alho e orégano. Misture a cebola, o pimentão, tomate, farinha de trigo e azeite. Forme uma massa com esses ingredientes. Unte a forma e espalhe a massa, tomando cuidado para formar uma camada fina para não ficar crua no meio quando assar. Cubra com requeijão, azeitonas e mussarela. Enfeite com o tomate cereja e cubra com parmesão e orégano.

Isso tudo vai ao forno por 45 minutos. Se ficar água no fundo, deixe assar mais um pouco. A receita atende a cerca de 5 pessoas. Para acompanhar, arroz branco e batata palha.

20140423-220136.jpg

Bolo de carne da Nigella

Quando falamos de astros de programas de culinária, Nigella é a minha predileta. Gosto dos outros, mas acho as receitas dela mais simples e ela não usa ingredientes muito distantes da nossa realidade – apesar de abusar da gordura típica dos países mais frios.

Mesmo com todos os escândalos em que ela está envolvida, minha admiração não diminuiu. Afinal, atire a primeira pedra quem nunca cometeu um erro ou teve problemas de relacionamento. Foi do último livro dela lançado no Brasil que tirei a receita desse post: bolo de carne.

O desafio que eu tinha era agradar ao marido da minha prima. Danilo só gosta de carne vermelha, mas não pode ter molho. É cheio de detalhes nas suas preferências gastronômicas. E eu sempre fico tensa porque gosto de agradar as pessoas para quem cozinho (ainda mais se elas são muito queridas). A escolha também tinha que casar as preferências dele com o paladar infantil da Jana, que adora uma comida de criança!

Os ingredientes para o prato escolhido:
900g de carne moída
2 cebolas
4 colheres de manteiga
1 colher de molho inglês
4 ovos
Bacon em fatia
Sal marinho
1/3 de xícara de farinha de rosca

Para fazer, primeiro cozinhe 3 ovos. Descasque em água fria e reserve. Numa panela, derreta a manteria e frite as cebolas em cubinhos (eu sempre trituro no mix) com o sal até que elas comecem a ficar douradas e espere esfriar. Numa tigela grande, coloque a carne e misture com o ovo restante, o molho inglês e a farinha de rosca até que os ingredientes estejam bem incorporados. Coloque metade dessa massa de carne numa assadeira, formando uma caminha para que você acomode os ovos cozidos em cima. Cubra com o restante da carne e envolva esse bolo com bacon. Leve ao forno médio para alto por cerca de uma hora até que a carne comece a soltar um líquido transparente. E está pronto. Ao menos aqui em casa, as visitas aprovaram – até a Maria, filha do Dan e da Jana!

20131218-220656.jpg

Hambúrguer de forno

Quando eu era mais nova, ficava feliz quando chegava em casa e via hambúrguer de forno no cardápio do dia. Achava super legal minha mãe querer agradar a gente com algo tão saboroso e que não tinha tanta cara de comida de dia de semana.

Ainda acho essa uma opção bacana, mas descobri que minha mãe sempre fazia quando estava sem vontade de ficar elaborando algo muito complexo e perder tempo na cozinha. Mas isso não tira em nada o brilho que o hambúrguer de forno tem para mim.

Esses dias, eu estava com
preguiça de cozinhar e lembrei dessa receita. Usei 500g de alcatra moída duas vezes misturado bem com um pacote de sopa de cebola. Acrescentei umas castanha moídas e pedaços de bacon em cima para fazer uma graça e levei ao forno. Foi com isso e uma maionese de batata com atum que matei a fome sem perder muito tempo na frente do fogão e ainda lembrei de um sabor bem comum na minha infância!

20130627-221425.jpg

20130627-221434.jpg

Mini comidinhas

Eu acho simplesmente fantástico o visual de comidas minis: cenourinhas, espigas de milho pequeninas e, mais recentemente, as mini abóboras me encantam. Acho que elas são tão bonitas. O prato fica tão fofo! Eu ainda não tinha feito nada com as abóboras, que parecem estar na moda, até que experimentei num restaurante e fiquei com vontade de repetir em casa.

Passei num mercado esses dias e lá estavam elas: as minis abóboras, prontas para irem comigo embora. Lembrei que tinha um pedaço de carne seca em casa (algo como uns 200 ou 300) e um paio. Comprei um pote de creme de ricota e me mandei para a casa.

Peguei duas mini abóboras e coloquei para cozinhar por uns 10 ou 15 minutos. O ponto é quando você enfia um garfo nela e sente que está firme, mas não molenga. Enquanto isso, numa panela separada, fervi a carne e o paio duas vezes e, depois, deixei na panela de pressão por uns 20 ou 30 minutos. Deixei a carne bem molinha. O paio foi picado em pedacinhos e reservei. Peguei a carne e coloquei num processador, deixando ela bem desfiada. Numa outra panela, comecei a refogar o paio já picado e cozido junto com um pouco de cebola e alho. Quando a linguiça estava dourada, juntei a carne. Mexi um pouco e acrescentei o pote de creme de ricota. Não usei nenhum tempero, nem sal. Isso porque as carnes ainda tinha um resquício de sal, mas coloquei umas três cebolinhas picadas para dar uma cor e um sabor a mais.

Depois de misturar bem esse recheio, peguei as abóboras, cortei na metade e tirei a semente. Dividi o recheio em 4 partes para rechear cada uma das metades. Levei ao forno com um pouco de queijo ralado para gratinar e, na hora de servir, acrescentei um pouco de salsinha picado em cima.

O sabor é algo de sensacional. O visual também ficou bem legal. Se você não é fã de carne seca e paio, troque por duas latas de atum defumado (já testei e aprovei essa opção!). Pode ser uma entrada bem legal para um jantar mais elaborado.

2 receitas, um post

Neste último final de semana, resolvi testar uma das receitas do Cooking, um dos livros de culinária mais legais que eu conheço. Como fui ao Mercadão comprar queijo e temperos, optei por um prato que tivesse pelo menos uma das comprar. Resultado: couve-flor gratinada.

Ingredientes:
1 couve-flor
sal e pimenta-do-reino
100 g de farinha de rosca

Para o molho:
30 g de manteiga
3 colheres de farinha integral
1 1/2 colher de mostarda em pó
450 ml de leite
125 g de queijo ralado

Separe a couve-flor em pequenos ramos e cozinhe até ela ficar tenra. Tire do forno e jogue água fria em cima para para o cozimento. Vamos ao molho: derreta a manteiga, acrescente o trigo e a mostarda. Mexa até formar uma pasta. Desligue o forno e acrescente o leite. Continue mexendo até ficar bem misturadinho. Volte para o fogo e deixe engrossar. Quando estiver pronto, misture cerca de 100 g do queijo e mexa bem. Jogue por cima do raminhos de couve-flor, coloque a farinha de rosca e o restante do queijo por cima e leve ao forno até dourar.

Para acompanhar, fiz um quibe de forno recheado.

Ingredientes do quibe
500 g de carne moída
2 xícaras de farinha de quibe
2 colheres de hortelã
sal e pimenta-do-reino a gosto

Para o recheio, usei 2 pacotes de ricota de muçarela de búfala, um punhado de cebola granulada desisdratada e umas pitadas de pimenta calabresa desisdratada também.

Deixe a farinha de quibe hidratando por cerca de 1h30. Depois, junto todos os ingredientes da massa com a mão mesmo. Coloque metade numa travessa untada com manteiga, recheio e o restante do quibe. Leve ao forno médio até que você perceba que o quibe começou a secar e ficar com uns risquinhos mais escuros em cima.

Servi também com o molho de coalhada que postei aqui.

Esses meus livros novos estão rendendo receitas bem interessantes. Acho que vou ficar uns 3 anos para fazer tudo. =D