Chili

Eu tenho algumas fases para comida. De tempos em tempos, costumo encrespar com uma receita, um ingrediente… e dessa vez, estou viciada em chili. Só que estava somente comendo em restaurantes. Todas as receitas que tinha visto, pareciam ter muitos processos e estava com uma certa preguiça.

Aí, num belo dia, acordei atacada e resolvi que iria tentar. Misturei a receita de um amigo com algumas que achei na internet e dei um toque pessoal. Eis aqui o resultado.


 
500 g de carne da sua preferência (usei coxão mole)

500 g de feijão cozido (carioquinha)
1/2 cebola grande ou uma média inteira picada
4 dentes de alho
1/2 pimentão vermelho beeeeeeeeeem picado (eu troquei o pimentão natural por duas colheres de um pó de pimentão doce que tinha aqui para provar)
1 lata de tomate pelado
1 lata de 130g de extrato de tomate
150 g de cheddar processado
pimenta branca moída a gosto
pimenta-do-reino preta moída a gosto
duas colheres de molho de pimenta
coentro picado a gosto
Primeiro, refogue a cebola, o pimentão e o alho. Aí, coloque a carne e deixe ela cozinhando até perder todo o tom rosado. Tempere com o sal e as pimentas moídas (deixe o molho para colocar no final para você checar se precisa ou não ficar mais picante para o seu gosto) e misture. Acrescente o extrato de tomate e o tomate pelado, misture bem, amassando os tomates que estão inteiros. Deixe cozinhar até engrossas e acrescente o feijão. Quando começar a ferver, coloque o cheddar e mexa até que ele derreta. Aí, complete com o molho de tomate e coentro de acordo com o seu gosto.
Servi com nachos e também fiz guacamole para completar o cardápio mexicano da noite.

Mini-abóboras e grande sabor

Tenho um problema: não posso ver uma mini-abóbora sem ficar tentada a trazê-la para a minha casa. Elas são bonitinhas demais para ficarem lá no mercado, quitanda ou feira. Fazia um tempo que eu não achava nenhuma que estivesse bonita e, quando vi umas bacanas, trouxe para casa sem nem pensar.

Pensei em fazer com carne seca, mas estava afim de criar algo novo, então resolvi fazer uma versão de camarão na moranga com atum e mini-abóboras.

Para o recheio você vai usar:

  • 2 latas de atum defumado (a Gomes da Costa tem)
  • 250g de requeijão cremoso
  • 1/2 cebola picada em cubinhos
  • 2 tomates (pode ser do Débora, que é mais durinho) picado em cubinhos 
  • Coentro a gosto
  • 3 colheres de alcaparras

Abra as latas de atum e use o óleo para refogar a cebola. Quando ela ficar transparente, acrescente o tomate e mexa até começar a murchar. Coloque o atum e as alcaparras e mexa bem. Aí, acrescente o requeijão cremoso, mexa bem até ele amolecer e começar a esquentar. Coloque o coentro e reserve.

Com essa receita, eu usei 3 abóboras. Lave bem e corte ao meio, tire as sementes e regue com um fio de azeite. Leve ao forno por cerca de 20 minutos. Tire e recheie. Salpique queijo ralado leve ao forno para gratinar e terminar de cozinhar a abóbora. O meu ficou um 30 minutos no forno alto.

Você pode servir com arroz ou com uma salada. Ou ainda pode comer puro.

  

Massa da preguiça 

Sempre digo que massa é uma das receitas mais preguiçosas que existem. Costumava fazer espaguete com carne moída e molho de tomate quando batia aquele bode. Mas arrumei uma nova representante para esses momentos: rolinho de lasanha de espinafre. Os ingredientes são:

  • Folhas de um maço de espinafre
  •  1 lata de molho de tomate
  • 1 pacote (200g) de massa de lasanha
  • 1 pote de creme de ricota
  • 15 bolinhas médias de muçarela de búfala fatiadas 
  • 100g de queijo parmesão ralado

Primeiro, cozinhe a massa da lasanha e deixe al dente. Escorra a água e coloque as folhas de lasanha em uma tábua. Espalhe o creme de ricota no centro, coloque algumas folhas de espinafre, um pouco de molho por cima, duas fatias de muçarela e espalhe um pouco de queijo ralado. Enrole cada uma das folhas como se fosse um rocambole. 

 
Arrume os rolinhos em uma assadeira média, com o fundo coberto de molho. Ao terminar, pincele um pouco de molho sobre cada rolinho, coloque uma fatia de muçarela de búfala e salpique com queijo ralado e orégano e regue com um pouco de azeite. Eu usei um molho que já tinha tempero, por isso, não usei sal e achei o sabor bem satisfatório. Mas se gostar mais salgado, acerte o sal antes de fechar os rolinhos. Leve para assar em forno médio por cerca de 30 minutos. Curta uma preguiça com uma massinha bem gostosa! 

  

Para o lanchinho das crianças

Como já disse aqui inúmeras vezes, sou mãe de uma menina linda de dois anos. Na escola dela, toda sexta-feira é dia de lanche coletivo. Cada semana, um aluno diferente leva o lanche para a sala inteira. A ideia é sempre incluir a criança no preparo, fazendo ela pensar em todos, estimulando o sentido de coletividade e também o interesse pelo preparo dos alimentos.

Acho que isso super funciona. Esse lance de levar a criança para a cozinha é até comentado no livro Crianças francesas não fazem manha, de Karen Le Billon, como um dos caminhos que os franceses usam para que suas crianças se alimentem bem.

Eu já acertei o bolo que a turminha da Clarice gosta: o de fubá, que até dei receita aqui. Mas o salgado ainda não foi um sucesso completo. Essa receita aqui funciona muito bem com a minha pequena e alguns amigos. Para quem precisa de ideias para um lanche com pequenos, anote aí:

  • 2 peitos de frango cozidos e desfiados
  • 1 cenoura ralada
  • 1/2 cebola picada em cubinhos bem pequenos
  • 250g de maionese
  • 2 colheres de salsinha
  • 2 pacotes de pão de forma sem casca

Eu cozinhei o peito de frango na panela de pressão. Antes de levar na panela, temperei ele com sal e pimenta-do-reino preta. Acrescentei um pouco de alecrim, uma xícara de água e também coloquei um dente de alho inteiro para dar sabor. Quando o cozimento terminar, leve o frango e o alho para a batedeira e, com um batedor estilo raquete, desfiei. Junte a cebola crua mesmo, a cenoura (também crua, para dar um croc-croc no sanduíche), salsinha e maionese, misture e acerte o tempero se precisar (como é para criança, não gosto de exagerar em sal). Depois, é só espalhar esse patê em cima dos pães. Se quiser deixar mais saudável, pode trocar a maionese por creme de ricota e usar pão integral.

Creme de abóbora 

Ando viciada em creme. Já compartilhei algumas receitas por aqui, inclusive. Há algum tempo, vinha com vontade de comer algo com abóbora. Mas tinha que ser abóbora de pescoço. Acho que ela é muito mais saborosa do que as outras.

Os ingredientes:

  • 1kg de abóbora de pescoço em cubos e sem casca
  • 1 litro de água 
  • 2 dentes de alho 
  • 1 pote de creme de ricota
  • 1 colher de sal
  • 2 colheres de café de curry

Coloque as abóboras para cozinhar em panela de pressão. Depois que ela começar a chiar, deixe o fogo ligado por cinco minutos e desligue. Quando abrir a panela, tire o líquido e deixe só uma xícara de água do cozimento. Bata com um mixer até formar uma mistura bem aveludada. Leve ao fogo novamente e acrescente o curry e o creme de ricota. Mexa bem até a mistura ficar bem homogênea. Quando ferver, está pronto. 

O creme é super suave e o curry dá um gostinho bem no fundo. Se quiser dar um contraste, pode fritar uma linguiça portuguesa fatiada bem fininha e servir junto. 

  

Strogonoff de cogumelos

Não sou vegetariana, mas quando não tem carne num prato, é muito difícil eu sentir falta. Soma-se a isso o fato de eu ser apaixonada por cogumelos. Foi assim que nasceu essa receita de strogonoff de cogumelos. Ela só não é vegana porque não consegui achar um correspondente para o creme de ricota (que uso no lugar do creme de leite, para deixar a receita mais magra).

Os ingredientes são:

  • 500g de cogumelo paris em lascas finas 
  • 150g de palmito fatiado
  • 1 pote de creme de ricota
  • 3 colheres de sopa de molho inglês
  • 2 colheres de mostarda dijon 
  • 4 colheres de azeite
  • 1/2 cebola em cubinhos
  • Um punhado de de salsinha picada

Coloque o azeite na panela, aqueça e refogue a cebola. Quando ela começar a ficar transparente, jogue o cogumelo e misture. Quando ele começar a soltar água, acrescente o molho inglês e a mostarda e misture bem. Coloque o palmito e acrescente o creme de ricota. Quando começar a ferver, misture a salsinha, misture e desligue. Eu ainda espalhei um pouco de castanha de caju granulada para dar mais croc croc. Servi só com um arroz branco e ficou ótimo! 

  

Brigadeiro de paçoca 

Ok! Já acabaram as festas juninas e as julinas dão tchau essa semana. Mas como resistir à paçoca? E se juntar paçoca e brigadeiro?

Essa receita é bem fácil e, como disse uma amiga que provou, ela lembra um pouco o cajuzinho que enfeitou nossas mesas de aniversário na infância. Os ingredientes:

  • 1 lata de leite condensado
  • 1 lata de creme de leite
  • 1 colher de sopa de manteiga sem sal na temperatura ambiente
  • 3 paçocas esfareladas

Coloque os ingredientes em uma panela e misture bem. Ligue o fogo (nem muito alto, nem muito baixo) e vá mexendo até que o brigadeiro solte do fundo da panela quando você passar a colher. O esquema é o mesmo do brigadeiro normal, mas ele fica um pouco mais molenga, sem ponto para enrolar. Se for fazer para uma festinha, o ideal é colocar em potinhos. Aqui em casa, coloquei em pequenos ramequins (potes de porcelana canelados). Rendeu quatro porções bem generosas. Usei um pouco de paçoca esfarelada para decorar. 

 

Bolo de salmão

Aproveitando que o tema da prova de eliminação do Master Chef Brasil dessa última terça foi salmão, vou compartilhar uma receita com ele. Nada muito elaborado, mas que cai muito bem num lanche da tarde ou num piquenique: Torta de salmão com dill. Os ingredientes são:

  • 3 ovos
  • 1/2 xícara de leite
  • 1/2 xícara de óleo vegetal
  • 1 1/2 de farinha de trigo branca
  • 1 colher de chá de fermento químico
  • 1 colher de chá de sal
  • 100g de salmão defumado em tirinhas finas
  • 1/2 xícara de folhinhas de dill
  • 1/2 xícara de cebolinha picada
  • pimenta-do-reino a gosto

Bata no liquidificador os ovos, o leite, o óleo, a farinha, o fermento, o sal e a pimenta-do-reino. Com o liquidificador desligado, misture com a ajuda de uma espátula, o dill, o salmão e a cebolinha. Transfira para uma forma untada e enfarinhada. Leve ao forno pré aquecido a 180 graus. Asse por cerca de 45 minutos ou até que o bolo tenha crescido e fique dourado. Eu servi com uma saladinha básica.

  

Antepasto de abobrinha

Já disse aqui que amo antepasto! Me alimentaria deles a vida inteira sem medo de ser feliz. Achei uma receita ótima num site chamado Aqui na Cozinha. Fácil e deliciosa!

Os ingredientes

  • 4 abobrinhas raladas
  • 6 dentes de alho espremidos
  • 1 cebolada ralada
  • 1 colher de sopa de sal
  • 1 colher de sopa de orégano 
  • Pimenta-do-reino a gosto
  • 3 colheres de sopa de vinagre balsâmico 
  • 1/2 xícara chá de azeite

Passei as abobrinhas e a cebola no processador de alimentos e espremi o alho em cima dessa mistura. Coloque metade do azeite em uma assadeira. Depois, coloque todos os ingredientes, misture bem e regue com o restante do azeite. Leve ao forno na temperatura de 200 graus. Deixe por 15 minutos, tire para misturar um pouco e deixe até que as bordas comecem a dourar.

O cheiro enquanto assa é muito bom! E o sabor, idem! Você pode servir com pão, usar em uma salada ou até colocar em cima de um peixe. O sabor de alho fica bem evidente. Dá para trocar a abobrinha por berinjela também. Assim que testar essa versão, falo se deu certo. 

  

  

Strogonoff

Está aí uma receita clássica, básica e fácil: strogonoff. Esse prato de origem russa (até esse post, sempre achei que ele tivesse origem francesa) é mega popular no Brasil. 

Existem algumas versões dele, segue aqui a minha receita:

  • 500g de filé mignon cortado em cubos
  • 2 potes de creme de ricota
  • 3 colheres (sopa) de catchup
  • 2 colheres (sopa) de mostarda
  • 1/2 copo de rum
  • 200g de champignon em conserva

Em uma panela, refogue a carne com dois dentes de alho picados. Coloque sal a gosto. Quando a carne estiver ao ponto, coloque o rum e mexa até que ele evapore. Coloque o catchup e a mostarda e misture. Acrescente o champignon e o creme de ricota, misture e deixe ferver. Pronto. 

Para servir, arroz branco e batata palha. Esse é um prato que agrada e quebra um galho para um almoço bacana.