Risoto de maçã verde e gorgonzola 

Fazia algum tempo que eu não compartilhava uma receita de risoto por aqui. Essa eu achei super suave e me agradou muito. 

Você vai precisar de:

  • 2 maçãs verdes sem casca e picadas em cubos de cerca de 1 cm
  • 250g de gorgonzola picado 
  • 2 copos de arroz arbóreo
  • 1,5 de caldo de legumes
  • 1 cebola picada 
  • 1 concha de vinho branco

O preparo deve seguir o básico do risoto. Se você nunca fez, pode achar informações nesse post. Quando você colocar a última concha de caldo, deixe secar um pouco e acrescente o gorgonzola. Misture até derreter e coloque as maçãs. Misture bem e deixa o restante do caldo secar. Com o caldo salgado e o gorgonzola, não precisei acrescentar sal. Mas faça se achar necessário. Está pronto! 
Para acompanhar, você pode fazer medalhões de filé mignon e servir um vinho branco (usamos um da região do Douro que caiu muito bem). 

  

Anúncios

Bolo de nozes e café

Na verdade, o nome da receita é Delícia de Nozes. Mas eu me nego a colocar esse nome no título de um post. Isso é tipo nome de esmalte e cor de tinta: cafona! Mas é gostoso, prometo.

Os ingredientes da massa são:

  • 300g de nozes sem cascas e esmagadas grosseiramente
  • 6 ovos
  • 180g de açúcar
  • 100g de maisena
  • 2 colheres de rum

Para a cobertura, você vai precisar de:

  • 150g de açúcar de confeiteiro
  • 3 colheres de sopa de água
  • 1 colher de chá de café solúvel

Separe as gemas das claras. Coloque as gemas e açúcar em uma tigela e misture com um foier até que  branqueie. Junte a maisena, o rum e as nozes. Bata as claras em neve. Quando estiver pronto, separe metade e misture delicadamente com a massa com nozes. Quando estiver bem incorporado, misture o restante das claras em neve. Unte uma forma com furo no meio com uma quantidade generosa de manteiga. Leve a massa ao forno preaquecido a uma temperatura de 190 graus. Asse por 50 minutos ou até que você enfie a faca no bolo e ela saia limpa. Retire o doce do forno e deixe esfriar por 10 minutos até desinformar. Deixe descansando.

Prepare a calda. Dissolva o café e o açúcar e misture os dois. Então, espalhe no bolo. Depois que fiz a calda, uma amiga me deu a dica que se eu diluir o café em água morna e misturar com a pasta de açúcar imediatamente, batendo fortemente, a consistência será outra, mais cremosa. Testarei em breve e volto aqui para falar.

Você pode decorar o bolo com nozes e, na hora de servir, uma taça de vinho de sobremesa (colheita tardia) pode ser uma boa companhia.

  

Para o lanchinho das crianças

Como já disse aqui inúmeras vezes, sou mãe de uma menina linda de dois anos. Na escola dela, toda sexta-feira é dia de lanche coletivo. Cada semana, um aluno diferente leva o lanche para a sala inteira. A ideia é sempre incluir a criança no preparo, fazendo ela pensar em todos, estimulando o sentido de coletividade e também o interesse pelo preparo dos alimentos.

Acho que isso super funciona. Esse lance de levar a criança para a cozinha é até comentado no livro Crianças francesas não fazem manha, de Karen Le Billon, como um dos caminhos que os franceses usam para que suas crianças se alimentem bem.

Eu já acertei o bolo que a turminha da Clarice gosta: o de fubá, que até dei receita aqui. Mas o salgado ainda não foi um sucesso completo. Essa receita aqui funciona muito bem com a minha pequena e alguns amigos. Para quem precisa de ideias para um lanche com pequenos, anote aí:

  • 2 peitos de frango cozidos e desfiados
  • 1 cenoura ralada
  • 1/2 cebola picada em cubinhos bem pequenos
  • 250g de maionese
  • 2 colheres de salsinha
  • 2 pacotes de pão de forma sem casca

Eu cozinhei o peito de frango na panela de pressão. Antes de levar na panela, temperei ele com sal e pimenta-do-reino preta. Acrescentei um pouco de alecrim, uma xícara de água e também coloquei um dente de alho inteiro para dar sabor. Quando o cozimento terminar, leve o frango e o alho para a batedeira e, com um batedor estilo raquete, desfiei. Junte a cebola crua mesmo, a cenoura (também crua, para dar um croc-croc no sanduíche), salsinha e maionese, misture e acerte o tempero se precisar (como é para criança, não gosto de exagerar em sal). Depois, é só espalhar esse patê em cima dos pães. Se quiser deixar mais saudável, pode trocar a maionese por creme de ricota e usar pão integral.

Bolo sem ovo, sem leite e sem glúten

Não sou nenhuma Bela Gil que fica encontrando problemas em todos os ingredientes  no armário. Até deveria ser mais cuidadosa com a minha alimentação de vez em quando, mas confesso que adoro alguns venenos. Porém, como uma interessada na cozinha, adoro testar receitas e me interesso por descobrir novos ingredientes. Até porque, tenho alguns amigos que são vegetarianos e veganos – ou até tem problemas de intolerância a leite e derivados – e gosto de receber as pessoas bem em casa.

Foi assim que achei essa receita no livro Naturalíssima, da Chef Tatiana Cardoso, que pilota a cozinha do restaurante Moinho de Pedra, em São Paulo.

Os ingredientes:

  • 1 xícara de chá de água filtrada
  • 1 1/3 de xícara de chá de cenoura ralada
  • 1/2 xícara de chá de uvas-passas pretas sem sementes
  •  1/2 xícara de tâmaras secas picadas
  • 1/2 xícara de ameixas pretas picadas
  • 1/2 xícara de banana-passas picadas
  • 1/2 colher de cravo em pó
  • 1/2 colher de canela em pó
  • 1/2 colher de noz moscada ralada na hora
  • 2 colheres de sopa de melado
  • 4 colheres de óleo de girassol
  • 1 xícara de farinha de arroz integral
  • 4 colheres de fermento em pó químico
  • 3/4 de xícara de quinoa em flocos
  • 1/4 de xícara de amaranto em flocos

Ponha a água em uma panela e leve ao fogo. Adicione a cenoura, as frutas secas e as especiarias. Assim que levantar fervura, abaixe o fogo e deixe cozinhar por 5 minutos. Retire a panela do forno, coloque o melado e o óleo, misture e deixe esfriar. Em uma tigela grande, coloque a farinha e o fermento passando por uma peneira. Acrescente os flocos de quinoa e os de amaranto. Adicione a mistura da panela já fria e bata com uma colher de pau até que a massa esteja homogênea. Em uma forma de pão untada e polvilhada, despeje essa massa. Leve ao forno preaquecido em temperatura média por cerca de 40 minutos ou até que você faça o teste do palito e ele saia seco. Deixe esfriar por pelo menos 15 minutos antes de servir.

A consistência desse bolo é bem diferente. E o sabor forte nem sempre agrada crianças. A minha filha, por exemplo, que come até pedra, só comeu metade do pedaço. Mas achei bem parecido com aqueles bolos de Natal cheios de especiarias.

Picadinho da Rita Lobo

Depois de falhar com um manjar e uma receita de cubinhos de tapioca da Rita Lobo, acho que finalmente nos entendemos. As últimas tentativas tem dado bem certo e fiquei muito feliz com o picadinho de file mignon dela. Não é das receitas mais práticas da vida, mas o resultado é bom demais. Além do que, essa é uma ótima opção para servir num almoço para convidados. E não venha me dizer que picadinho é um prato simples! Servir 1 kg de filet mignon hoje em dia é quase uma declaração de amor, afinal, seu preço não está nada em conta.

Os ingredientes:

  • 1 kg de filet mignon em cubos
  • 2 cebolas em cubos
  • 3 dentes de alho espremidos
  • 4 colheres de sopa de farinha de trigo
  • 70 g de bacon em cubinhos
  • 1/4 de xícara de extrato de tomate
  • 2 colheres de sopa de molho inglês
  • caldo de 1 limão tahiti
  • Azeite suficiente para refogar a carne
  • 1/4 de xícara de salsinha
  • 3 xícaras de água quente
  • sal e pimenta-do-reino a gosto

Coloque os cubos de carne em uma tigela e misture com a farinha de trigo. Separe em três porções. Numa panela grande e quente, jogue parte do azeite e doure 1/3 da carne e tempere com o sal e pimenta. Quando estiver dourado, tire, coloque mais um pouco de azeite e doure a segunda porcão de carne. Repita o processo mais uma vez. Não se assuste com a crosta que ficar no fundo da panela. Assim que você terminar de fritar a última parte dos cubos de carne, desligue o forno, jogue o suco de um limão tahiti, uma xícara de água quente e, com a ajuda de uma colher de pau, vá raspando o fundo da panela. Ligue o fogo novamente para essa mistura ferver por cerca de 1 minuto e ajudar a retirar o fundinho grudado. Pegue esse caldo e despeje na tigela onde você reservou os cubos de carne fritos, passando por uma peneira. Sem lavar a panela, despeje mais um pouco de azeite e jogue o bacon. Quando ele começar a dourar, acrescente a cebola, refogando até ela murchar. Em seguida, coloque o alho e deixe ele até começar a dourar.

O próximo passo é colocar o extrato de tomate e misturar bem. Despeje a carne e seu molho de volta na panela, regue com o restante da água que você ferveu e misture o molho inglês. Quando essa mistura começar a ferver, baixe o fogo e deixe assim por uns 10 minutinhos. Quando for servir, acrescente a salsinha picada.

Eu servi o prato com couve manteiga picada, arroz branco e uma farofinha de ovo.

No dia seguinte, o caldo fica mais grosso e achei que o sabor fica até mais intenso.

Lombinho do Vinicius de Moraes

Ganhei um livro dos meus compadres ano passado (falo dele melhor em outro post) que mistura lembranças de lugares que Vinicius de Moraes visitou e suas comidas. Para estrear, escolhi uma receita de lombo de porco que ficou super saborosa. Além de ser um prato que adoro, o lombo também é super mineiro. E como iria cozinhar para receber uma mineira bem querida (que me deu o livro), achei que seria uma combinação perfeita.

Os ingredientes são:

  • 1 lombinho de porco com cerca de 1 kg e com a capa de gordura
  • 1 colher de sopa de mel
  • 1 colher de sopa de mostarda amarela
  • 1 cebola grande bem picadinha
  • 3 dentes de alho picados
  • 1/2 copo de vinagre de maçã
  • 1/4 de copo de azeite de oliva
  • 1 pitada de pimenta-do-reino branca em pó
  • 1 colher de sobremesa de sal
  • 4 ramos de salsinha picada

Essa receita precisa começar a ser preparada um dia antes de servir. A primeira parte é o Vinha-D’Alhos, que é uma marinada tipicamente portuguesa. Para isso, você vai levar ao liquidificador a cebola, o alho, o vinagre, o azeite, a salsinha, a pimenta-do-reino e o sal. Bata tudo até virar um creme. Coloque o lombinho dentro de um saco plástico e despeje a Vinha-D’Alhos dentro dele. Amarre bem e deixe esse saco na geladeira durante a noite para marinar.

No dia seguinte, retire a carne do saco plástico, esfregue o mel a mostarda sobre ela e leve ao forno preaquecido em temperatura média. Eu fui um pouco contra a receita e espalhei um pouco da marinada na forma (o cheiro era bom demais para mandar tudo embora, poxa). A carne fica no forno por cerca de 45 minutos ou até que esteja bem tostado por fora.

Para servir, você pode fazer um refogado de folha manteiga e colocar o lombo em cima.

  

Creme de abóbora 

Ando viciada em creme. Já compartilhei algumas receitas por aqui, inclusive. Há algum tempo, vinha com vontade de comer algo com abóbora. Mas tinha que ser abóbora de pescoço. Acho que ela é muito mais saborosa do que as outras.

Os ingredientes:

  • 1kg de abóbora de pescoço em cubos e sem casca
  • 1 litro de água 
  • 2 dentes de alho 
  • 1 pote de creme de ricota
  • 1 colher de sal
  • 2 colheres de café de curry

Coloque as abóboras para cozinhar em panela de pressão. Depois que ela começar a chiar, deixe o fogo ligado por cinco minutos e desligue. Quando abrir a panela, tire o líquido e deixe só uma xícara de água do cozimento. Bata com um mixer até formar uma mistura bem aveludada. Leve ao fogo novamente e acrescente o curry e o creme de ricota. Mexa bem até a mistura ficar bem homogênea. Quando ferver, está pronto. 

O creme é super suave e o curry dá um gostinho bem no fundo. Se quiser dar um contraste, pode fritar uma linguiça portuguesa fatiada bem fininha e servir junto. 

  

Torta de frango

Rita Lobo tem um dom: ela consegue fazer algumas receitas na TV que me deixam pensando naquilo por dias. Foi assim com o molho à bolonhesa e também aconteceu com essa torta de frango. Sonhei com ela por meses e até comprei uma forma nova com fundo removível para fazer a receita. Fiz algumas mudanças somente.

Para fazer a massa você vai precisar de:

  • 4 xícaras de farinha de trigo
  • 1 lata de creme de leite
  • 200g de manteiga cortada em cubinhos
  • 1 colher de de sal
  • 1 colher de fermento em pó

Primeiro, misture a farinha de trigo e a manteiga até virar uma farofa grossa. Junte o creme de leite, o fermento e o sal e amasse até formar uma bola. Reserve.

Para o recheio, você precisa de:

  • 1 peito de frango cozido e desfiado,
  • 1 xícara com água do cozimento
  • 1 cebola
  • 3 dentes de alho
  • 2 tomates sem casca e sem semente
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • 1 colher de sopa de farinha de trigo
  • 1 gema de ovo (guarde é clara para a montagem)
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto

A Rita diz para você cozinhar o frango junto com uma cenoura e um talo de salsão. Eu sótemperei com algumas ervas, sementes de mostarda, sal e cravo.

Para fazer o recheio, coloque a manteiga em uma panela. Quando ela derreter, coloquei a cebola, tempere com sal, pimenta e refogue até dourar. Junte o alho e mexa por mais um minuto. Em seguida, coloque os tomates cortados em cubos. Mexa até que forme uma pasta. Adicione o peito de frango desfiado, ajuste o tempero e polvilhe a farinha de trigo. Misture e desligue o fogo. Regue com o caldo do cozimento do frango e misture. Depois, coloque a gema do ovo, mexa muito bem e ligue o fogo novamente. Mexa até o recheio atingir uma consistência grossa, porém sem secar.

Para montar, você deve dividir a massa em três partes. Duas delas você usa para a base. Abra bem, cubra o fundo da forma, fure a massa com garfo e leve ao forno preaquecido a 180 graus (coloque uma folha de papel manteiga em cima e grãos de feijão para fazer peso). Depois que tirar do forno (aqui começam as minhas alterações na receita), cubra a massa com 1/3 de xícara de parmesão ralado. Coloque o recheio e cubra com 100g de requeijão cremoso. Coloque o restante da massa aberta em cima e faça uma cruz com uma faca no meio da torta para que o vapor saia no cozimento. Ainda vai sobrar um tanto de massa. Faça bolinhas de cerca de 1cm e cole na parte superior da massa pincelando com a clara. Leve ao forno por 40 minutos ou até dourar. Você pode servir com uma salada.

Eu só achei que a quantidade de massa poderia ser menor. Separaria 1/3 dela para fazer alguma outra torta e usados somente 2/3 para essa receita. Assim, o recheio apareceria mais.

Strogonoff de cogumelos

Não sou vegetariana, mas quando não tem carne num prato, é muito difícil eu sentir falta. Soma-se a isso o fato de eu ser apaixonada por cogumelos. Foi assim que nasceu essa receita de strogonoff de cogumelos. Ela só não é vegana porque não consegui achar um correspondente para o creme de ricota (que uso no lugar do creme de leite, para deixar a receita mais magra).

Os ingredientes são:

  • 500g de cogumelo paris em lascas finas 
  • 150g de palmito fatiado
  • 1 pote de creme de ricota
  • 3 colheres de sopa de molho inglês
  • 2 colheres de mostarda dijon 
  • 4 colheres de azeite
  • 1/2 cebola em cubinhos
  • Um punhado de de salsinha picada

Coloque o azeite na panela, aqueça e refogue a cebola. Quando ela começar a ficar transparente, jogue o cogumelo e misture. Quando ele começar a soltar água, acrescente o molho inglês e a mostarda e misture bem. Coloque o palmito e acrescente o creme de ricota. Quando começar a ferver, misture a salsinha, misture e desligue. Eu ainda espalhei um pouco de castanha de caju granulada para dar mais croc croc. Servi só com um arroz branco e ficou ótimo! 

  

Chef’s Table

Devo estar um pouco atrasada, mas acho que a dica ainda é válida. No final de semana, uma amiga indicou uma série do Netflix (que está mandando muuuuuuuuito bem no conteúdo exclusivo). O nome? Chef’s Table.

A ideia do programa é contar sobre a vida de importantes chefs do mundo inteiro. Ainda não vi tudo – na verdade, só assisti ao episódio de  Massimo Bottura dono de nada mais, nada menos do que três estrelas no Michelin para o seu Osteria Francescana (Módena, Itália).

A fotografia é linda e a história do cara me deu vontade de largar tudo, pegar um avião e me mudar para a Itália.

Além dele, os outros chefs da primeira temporada são  Ben Shewry (Melbourne, Austrália), Magnus Nilsson (Järpen, Suécia), Francis Mallmann (Buenos Aires, Argentina), Niki Nakayama (Los Angeles, EUA) e Dan Barber (Nova York, EUA).

Olha só que apetitoso o trailer oficial